É possível adquirir crédito mesmo estando negativado, mas é preciso se atentar aos juros e tomar cuidado com golpes.

A restrição no nome pode ser um problema na hora de solicitar cartão bancário, financiamento e empréstimo. Geralmente, isso acontece durante a consulta do banco CPF, e com a negativação fica difícil de conseguir qualquer operação de crédito. A boa notícia é que existem alternativas para ter acesso ao crédito. A seguir, saiba como é feito empréstimo para quem tem o nome sujo.

Segundo pesquisa da CNC (Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo) a parcela de famílias endividadas e sem condições de pagar empréstimos chegou a 12,1% em agosto. A Peic (Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor) mostrou ainda que no mesmo mês o total de famílias inadimplentes ficou em 67,5%, maior patamar desde o início da série histórica em 2010.

Como saber que está com nome sujo?

De modo geral, empresas de proteção ao crédito como Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) e Serasa Experian enviam uma carta para a pessoa que não quitou suas dívidas com lojas e bancos, informando que o nome será negativado.

Mas também há formas de verificar pela internet se o CPF (Cadastro de Pessoas Físicas) está negativado. Uma delas é acessar o site Serasa Consumidor e clicar em “Consultar meu CPF”, será preciso se cadastrar, ao inserir informações como email, nome completo e data de nascimento. Feito isso será possível visualizar se tem ou não dívidas negativadas, e quais são elas.

Outra maneira também gratuita é acessar o site consumidorpositivo.com.br, da Boa vista Serviços, que por sua vez administra SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Ao apertar na opção “Consulta de CPF” será necessário preencher um cadastro.

Já no site da instituição SPC é preciso pagar R$ 9,90 para verificar a “Consulta Completa de CPF”.

Além disso, nas duas primeiras plataformas, é possível saber o score de crédito, que é um dos fatores analisados pelos bancos na hora de conceder empréstimo. Se trata de uma pontuação que indica o comportamento do consumidor com seus pagamentos. As notas vão de 0 a 1000, e quanto mais alto o valor mais fácil o acesso ao mercado de crédito.

Empréstimo consignado pode ser um bom caminho

No empréstimo consignado o valor das parcelas é descontado diretamente do salário ou do benefício do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) da pessoa que o solicitou. Portanto, o risco de inadimplência é menor. Possibilitando assim, mais chances do banco aceitar conceder esse crédito ao negativado.

Essa modalidade é mais comum para servidores públicos, pensionistas e aposentados. Mas também vale para trabalhadores de empresas privadas, sendo necessário que esta tenha convênio com a instituição financeira. Ademais, a quantia de cada parcela não pode ser superior à 30% do salário ou benefício.

Nota-se que as taxas de juros costumam ser atrativas e se diferem no crédito consignado do INSS, privado e público.

Mesmo com o menor risco do desconto em folha de pagamento, a instituição bancária pode negar o empréstimo. É possível recorrer ainda a créditos não consignados.

Atenção às taxas de juros e golpes

Estar negativado é estar também numa situação de vulnerabilidade. Nesse sentido, é essencial tomar cuidado ao procurar por empréstimos. Algumas empresas podem oferecer propostas acima do cenário do mercado em geral. E pedem, por exemplo, um depósito antecipado. Isso pode ser uma indicação de golpe.

Portanto, faça um pesquisa sobre a credibilidade da empresa. Verificando itens como sua atuação no meio, e se tem informações como CNPJ, contatos e endereço. Procure saber também se a instituição está autorizada pelo Banco Central.

Outro ponto de atenção são as altas taxas de juros. Esses índices costumam ser elevados em empréstimo para quem tem o nome sujo. Por isso, vale calcular o Custo Efetivo Total (CET), que diz respeito a soma de todas as despesas incluídas na operação em questão. Além dos juros, também há tarifas de serviços.

Nesse momento de simulações, é importante também verificar os valores das parcelas que serão possíveis pagar todos os meses. Afinal, em caso de assinar um contrato com uma quantia de parcelas que não cabem no bolso, a consequência é perder o controle de mais uma dívida.

Opções de empréstimo para quem tem o nome sujo

Existem algumas alternativas de empréstimo voltadas para quem tem o nome sujo. Uma delas é o Serasa eCred, dá para fazer uma simulação no site Serasa ECred, sem afetar a pontuação no score de crédito. Assim sendo, o objetivo dessa modalidade é ajudar o consumidor a sair da situação de negatividade. Nota-se que pensionistas, aposentados e funcionários públicos têm condições diferenciadas, por poder optar pelo empréstimo consignado.

Há ainda outras empresas que oferecem crédito sem consulta em plataformas como o SPC, ou que se dispõem a avaliar a situação de quem está inadimplente para conceder o dinheiro.

A saber, quesitos como idade, renda mensal média, capacidade de pagamento e volume das dívidas podem ser levados em conta na negociação do empréstimo. Influenciando na sua aceitação ou não, e nas taxas de juros.

Para quem tem imóvel ou carro, uma opção é oferecer como garantia para conseguir contratar o crédito. Há modalidades direcionadas a isso.

Como renegociar dívidas?

Um bom caminho para conseguir um empréstimo com condições mais atrativas é avaliar, primeiro, renegociar as dívidas pendentes. Com a renegociação bem-sucedida, o nome pode sair do cadastro dos negativados.

Dessa forma, o banco pode considerar os riscos menores e oferecer juros mais baixos. Contudo, é recomendado se planejar financeiramente para evitar novas negativações.

Veja o passo a passo de como limpar o seu nome:

  • 1º passo: Anote suas dívidas. É importante ter clareza de todas as pendências. É possível consultá-las na internet, como mencionado anteriormente.
  • 2º passo: Em seguida, tenha um planejamento financeiro. Faça a conta entre suas receitas e despesas, e verifique quanto dinheiro terá disponível por mês para pagar essas inadimplências.
  • 3º passo: Corte gastos. Considere diminuir algumas despesas para conseguir acumular mais capital e, portanto, quitar as dívidas mais rapidamente.
  • 4º passo: Renegocie as dívidas. Tendo conhecimento acerca da dívida e organização financeira definida, é hora de ligar paras as instituições financeiras e negociar os déficits. Converse até chegar ao valor da parcela que caiba no seu bolso.
  • 5º passo: Crie uma reserva de emergência. Então, após quitar as dívidas, considere criar uma reserva financeira para usar em futuros casos de imprevisto.

Ademais, é válido conversar com a família a respeito desse processo, de modo a ter compreensão e apoio. E para quem tem várias dívidas, uma dica é priorizar a quitação daquelas que têm juros maiores.